sábado, 17 de março de 2007

Uma nova vida…



Não criei este blog para falar no meu dia a dia como mãe. Aliás, ele foi criado antes do Tomás nascer, apenas não escrevi nada, porque, por teimosia minha, trabalhei até á véspera do parto e a falta de tempo não me permitiu fazê-lo.
Mas hoje não faz sentido falar de outra coisa, o tema vai mesmo ser o Tomás, o meu Amor Maior, como costumava dizer…
Vamos começar pelo sábado, dia 3, o dia inteiro a arrumar a casa, com a ajuda do C…, sim, porque isto de andar barriguda atrapalha e de que maneira. No final do dia e deitadinha já no sofá, começo a sentir contracções, não liguei, não era a 1ª vez que acontecia, nem sequer controlei o tempo entre elas. Comecei a estranhar porque parecia que a dor era maior de contracção para contracção. O C… achou melhor ir tomar banhinho e irmos para a maternidade, a minha resposta foi: “estás maluco???? Isto já passa, não é a 1ª vez e aliás ainda não rebentou o saco das águas…” Ele sem me dizer nada, começa a controlar o tempo e diz-me: “6 em 6 minutos, é melhor irmos!” Contrariada, levantei-me e banho. A partir daqui era cada dor que até me faltava o ar, eu lembrava que tinha que respirar fundo e devagar, mas, e conseguir fazê-lo? Só queria era agarrar-me a qualquer coisa, fechar os olhos até que a dor fosse embora. 50 minutos depois estava na maternidade, logo por azar a minha médica estava em Lisboa e não me ia fazer o parto, entrei em stress, mas depois de falar com ela acalmei. Aliás tenho que lhe agradecer imenso, ela ligou inúmeras vezes a questionar se estava tudo bem, comigo e com o Tomás. Quando dei entrada na triagem, já tinha 4 cm de dilatação e por isso fui directamente para a sala de partos para levar a epidural. Foi um filme, como é que pedem a uma grávida para estar quietinha quando se tem tantas dores????? Bem, mas lá fiz um esforçozito e lá fiquei deitada já com a epidural e com soro, (outro filme, só conseguiram colocar o cateter à 5ª tentativa e depois de já ter a mão esquerda toda negra. Mais tarde, outro soro, este para acelerar o processo, conclusão: comecei a sentir as contracções outra vez. Claro que me queixei, afinal levei epidural para quê? Lá veio o anestesista, (por sinal todo jeitoso, hehehe), que aumentou a dosagem e lá fiquei eu à espera que as dores passassem… 1,5 hora depois já tínhamos 7 cm de dilatação, o que na opinião das enfermeiras era excelente, normalmente do 1º filho a dilatação é de 0,5cm por hora, mas as contracções ainda se faziam sentir. Entretanto e no meio do meu sofrimento, decidiram irem todos para a janela ver o eclipse, acreditam numa coisa destas ?!?!?! eu só pensava “ está tudo maluco, então vão ver a lua e deixam-me aqui sozinha??????” Depois de satisfazerem a vista com o raio do eclipse, a enfermeira enfia a mão e diz: “ Vamos, a partir de agora é para fazer força.” Eu só me lembro de pensar: “Já ????” e lá comecei eu a fazer força, experimentamos umas 3 posições, ( eu não sou uma rapariga nada fácil, lol ) e … eis que aparece a cabecita, mas depois eu parava e ela escondia-se, tivemos nisto uns 20 minutos, como tal, tiveram que fazer uma episiotomia, (levei 3 pontos de tirar e não sei bem quantos de cair), e outra vez força e mais força e ás 1h37m do dia 4 (Domingo), nasceu o meu Amor Maior.

Esta foi a historia do nascimento do meu filhote, como é viver com ele, vou deixar para contar amanhã, porque o texto já vai longo e eu agora tenho o tempo reduzido, coisas de mães… Meu Deus, olhem para mim ?!?!?! Sou mãe… dá para acreditar numa coisa destas?

Às futuras mamãs, que já são umas poucas, (suas invejosas, lol), digo: não tenham medo do parto, é o que menos custa, tenham sim medo da dor das contracções, se aguentarem as ditas cujas o resto é canja… ;-) Ah e preparem-se para fazerem força, muitaaaaaaaa forçaaaaaaa, é que é preciso mesmo muita força.

2 comentários:

Anónimo disse...

Muito lindo...

O Pai...

LILIANA disse...

DE FACTO UM DIA PARA RECORDAR TODA A TUA VIDA... e DA MINHA TAMBÉM...

UM AMOR MAIOR... UMA ESTRELINHA NAS NOSSAS VIDAS!